Dicas para minimizar os efeitos nocivos do ressecamento do ar

- Lavar o nariz com solução fisiológico por pelo menos 4 vezes ao dia;
Esta limpeza pode ser realizada com conta-gotas, em crianças menores e com seringa em crianças maiores, jovens e adultos. Há hoje em dia dispositivos próprios para lavagem nasal, bicos adaptáveis aos frascos de soro e preparações prontas de solução salina para aplicação nasal de jato contínuo, que desempenham muito bem a função de hidratação da mucosa nasal, redução do inchaço e ativação do movimento realizado pelas células do epitélio respiratório, a fim de remover impurezas e secreções.

- Hidratar-se bastante;
Nestes dias de clima mais seco é fundamental que ingiramos bastante água, pelo menos 2 litros por dia, o que corresponde a cerca de 8 copos ao dia. A mucosa nasal colabora na hidratação da mucos, minimizando a hipersecreção de muco, ardor na garganta e o favorecimento da deflagração de doenças infecciosas nas vias aéreas superiores e inferiores.

- Umidificar o ambiente;
Com a carência de chuvas, o ar fica ainda mais poluído e substâncias tóxicas podem provocar irritação da mucosa respiratória, aumento a produção de muco e a chance do desenvolvimento de doenças respiratórias, como rinite, sinusite, asma, amigdalite, bronquite, laringite, pneumonia, etc. Portanto, é interessante que se use em casa, em especial nos dormitórios, umidificador de ar e que este seja limpo diariamente para remoção de impurezas. Bacias os baldes com água no quarto de dormir, são alternativas menos eficazes, mas válidas também.

- Procurar atendimento médico;
É recomendado que ao menor sinal de descompensação ou deflagração de doença respiratória, o indivíduo procure um médico para descobrir a que se devem os sintomas e trata-los precocemente.